Por que Green?

R$68.00

Fora de estoque

Avise-me quando chegar!

Descrição

Páginas: 218          Formato: 16×23

Edição: 1ª              Ano: 2022

ISBN:978-65-86711-52-3

Resumo:

Esta obra da Coleção Grandes Psicanalistas tem a ambição não apenas de apresentar ao leitor as principais coordenadas do trabalho de Green, mas também de situá-lo em nosso tempo e em nosso contexto cultural. Fernando Urribarri traz suas abordagens sobre este grande autor a fim de nos revelar o seu lugar e a sua inserção no campo psicanalítico – sua filiação singular ao pensamento freudiano –, bem como indicar de que maneira o contato com suas ideias contribui para o entendimento dos problemas que nossa época suscita e para a clínica do mal-estar contemporâneo.

Índice:

Apresentação à Coleção Grandes Psicanalistas. Daniel Kupermann

Introdução. Por que Green?

  1. O percurso de André Green: da ampliação do campo analítico à construção de um novo paradigma contemporâneo
  2. Os estados-limite: paixões de vida, paixões de morte
  3. O negativo e seus destinos: do trabalho do negativo à destrutividade radical
  4. A representação e o irrepresentável: da heterogeneidade à terceridade
  5. A estrutura enquadrante do narcisismo: matriz da subjetivação, modelo teórico implícito da clínica greeniana
  6. A função simbolizante do analista (ou como se tornar um psicanalista contemporâneo)
  7. O pensamento clínico. As variações da técnica e o enquadre interno do analista

Referências

Apêndice: Breve Biografia de Green

Sobre o autor:

Fernando Urribarri é um psicanalista argentino, membro da Associação Psicanalítica Argentina. Foi discípulo e parceiro de André Green, colaborando com ele na elaboração dos seus livros desde 2001 até sua morte, em 2012. Lecionou na Universidade de Buenos Aires (UBA) e foi professor convidado nas Universidades de Paris X e Columbia of New York. Codirigiu dois Colóquios de Cerisy (França) dedicado à obra de seus mestres C.Castoriadis e A.Green, respectivamente. Ministrou conferências em sociedades psicanalíticas de Paris, Londres, Berlim, Roma, Barcelona, Boston, Nova York, México, Lima, São Paulo, Rio de Janeiro, entre outras. É autor de “Do pensamento clínico ao paradigma contemporâneo: Conversações com A. Green” (Blucher) e “Après Lacan: le retour à la clinique. Entretiens con Laplanche, Pontalis, Aulagnier, McDougall, Green,” (Ithaque), entre outros.